6 de fevereiro de 2009

O que os Outros Dizem de Nós - II

Escola Campo Melo com défice de auxiliares
A Escola Secundária Campos Melo (ESCM) festejou na passada sexta-feira 9, o seu 125º aniversário. A Instituição nasceu com o Decreto de 3 de Janeiro de 1884, subscrito pelos ministros das Obras Públicas e da Instrução Pública, que criou na Covilhã uma Escola Industrial com a finalidade de “ministrar o ensino apropriado às indústrias predominantes n’aquella localidade, devendo este ensino ter uma forma eminentemente prática”. “Vivemos o presente num permanente desafio às nossas capacidades de adaptação, e às novas realidades que estão em constante mutação”, afirma Isabel Fael, presidente do Conselho Executivo (CE), durante a sessão de abertura das comemorações, referindo-se, sobretudo, aos cursos de educação e formação que a Escola lecciona “de forma a encontrar as melhores respostas para o nosso público jovem”. Mas também à associação da Escola com o Estabelecimento Prisional da Covilhã, desde 2003, ou no Centro das Novas Oportunidades (CNO) criado na ESCM. “Ministramos, na prisão, cursos de nível básico e secundário, e procuramos que os nossos alunos, que não prosseguem estudos universitários, o façam nos cursos de especialização tecnológica. Desde 2006 somos CNO, e temos vindo a trabalhar com várias escolas e instituições para elevar o nível de qualificação da população adulta”, refere a presidente. Mas em dia de celebração, Isabel Fael não quis esconder os problemas que assombram a Instituição. “Necessitamos de ver reforçado o nosso corpo de auxiliares de acção educativa, progressivamente reduzido num tempo em que as exigências são cada vez maiores. À Câmara Municipal, pedimos, uma vez mais, uma particular atenção ao reordenamento da envolvência à entrada principal da Escola e dos nossos acessos que por ali se fazem”.

“A rua é estreita, não podemos deitar as casas a baixo”

João Esgalhado, vice-presidente da Câmara da Covilhã, presente na sessão, surpreendeu-se com a questão, “mas já que a partida me foi feita, digo que está prevista uma intervenção urbanística que vai melhorar a primeira parte do troço do arruamento de acesso à Escola.
Ficará com duas faixas de circulação, nos dois sentidos, com passeio e estacionamento”, garante, de forma divertida. “No que respeita à outra parte, que liga a Casa do Menino Jesus até à Santa Zita, a rua é estreita, não podemos deitar as casas a baixo e é difícil resolver o problema, grave, de acessibilidade do percurso até à porta de entrada.
Também o estacionamento será uma obra complexa. Os estudos demonstram que o preço por cada lugar são cinco vezes superiores aos mil gastos nos estacionamentos do centro”, expõe. Fael diz que está à espera de ver o problema resolvido “com a celeridade que a Câmara puder”, assegurando que por ali passam “milhares de pessoas todos os dias”. Para o futuro, a presidente do CE gostaria de ver criados dois espaços desportivos de área descoberta. “Para a criação de um deles necessitávamos da cedência de um terreno por parte da Câmara. Para o outro espaço, já temos informações, da Parque Escolar, que as obras devem arrancar em 2011”, finaliza.

O dia de aniversário foi também aproveitado para a entrega de 157 certificados aos alunos das Novas Oportunidades. “Congratulamo-nos com o trabalho desenvolvido nesta nova frente que é o CNO. Hoje entregamos os certificados do trabalho realizado no ano passado por estes alunos. 55 do 12º ano e 102 do Ensino Básico”, explica Isabel Fael. Em média, um aluno do Secundário, demora dez meses até receber a certificação. Tempo que varia dependendo do percurso do aluno anteriormente. “Pode ser mais se o aluno nunca estudou no Ensino Secundário, ou menos de somente lhe faltam duas ou três disciplinas. AS Novas Oportunidades vieram responder a uma lacuna que havia para a qualificação dos adultos”, defende a directora. Cristina Lopes Dias, directora regional – adjunta da Direcção Regional da Educação do Centro (DREC) sublinha os “frutos alcançados” com a aposta da ESCM na mudança da escola pública. “A nossa meta é qualificar, jovens e adultos, com as Novas Oportunidades. Queremos que todos tenham o 9º ano, mas que depois continuem e que consigam o 12º. Temos que lhes dar ferramentas para poderem ter empregabilidade”, atesta.
In Notícias da Covilhã de 14 de Janeiro de 2009

3 comentários:

Raul Martins disse...

Ainda que atrasados, os meus parabéns pelos vossos 125 anos.

Com a amizade de sempre apesar da ausência.

Cristina Bernardes disse...

Parabéns!!!

EMD disse...

Em nome da ESCM, obrigada.