29 de janeiro de 2011

PRESO NA REDE

Nos tempos, não tão longínquos, em que pertenci à equipa deste nosso BREVES, iniciei a rubrica PRESO NA REDE, dedicada a divulgação de achados interessantes com que me deparava nas auto-estradas e cruzamentos da Net.

Tendo por base o princípio (bom) de que os bons exemplos são para copiar, venho hoje de novo cá a “casa”, apontar para o artigo Sprint na Sala de Aula, publicado no último número da revista Visão, do qual tive conhecimento através do blogue da Anabela Magalhães, nome de referência na blogosfera portuguesa e amiga-seguidora do BREVES.

Indisciplina, excesso de faltas dos alunos, degradação do ambiente na sala de aula, são algumas das questões com que todas as escolas se debatem. Esta é uma estratégia a seguir de perto pois, para já, os indicadores são positivos.

Inovação precisa-se! E sem medo de errar porque, como diz a autora do poste, só não erra quem nada faz.

Clique para aumentar

Fonte da informação e das imagens: poste Boas Novas da ESA do Anabela Magalhães

Já agora deixo também os links para a Rede de Professores Inovadores da Microsoft, passe a publicidade, neste momento em remodelação, para o programa "Líderes Inovadores" e para a página da DGRHE, sobre este assunto. Mantenham-se atentos!

Profª Elsa Duarte

26 de janeiro de 2011

Blogue da Biblioteca

A BE acaba de criar o seu próprio blogue. Ainda está a dar os 1ª passos, por isso ainda apresenta algumas falhas. Prometemos melhorar e corrigir o nosso trabalho.
Convidamos toda a comunidade educativa a visitá-lo, a dar sugestões e sobretudo a colaborar, enviando-nos "As boas práticas", ou seja, qualquer trabalho dos alunos que, pela sua qualidade, mereça ser divulgado.

A Coordenadora da Biblioteca: Isabel Lino
http://becamposmelo.blogspot.com/

25 de janeiro de 2011

Workshop de Dança na ESCM



No dia 22 de Janeiro, foi realizado na Escola um Woorkshop de Dança, organizado pelos estagiários de Educação Física e orientado pela Monitora Alice Duarte (participante de competição em Danças de Salão).
Foi uma tarde muito activa e agradável e foram vários os professores que aderiram a esta actividade. Uma fotografia vale mais que mil palavras, no que toca a demonstrar a boa disposição e os vários talentos desperdiçados.

A Orientadora dos estagiários de Educação Física
Paula Rocha

21 de janeiro de 2011

Dia da Escola 07-01-11 - Jovens Cientistas e Investigadores




Assistiram ao painel "Jovens Cientistas e Investigadores da ESCM em destaque", do programa comemorativo do 127º aniversário da Campos Melo, os alunos do 10ªA, dos 12ºA e B e os actuais alunos dos Clubes da área das ciências: Biotecnologia Ambiental, Robótica e Holografia. Faziam parte do painel ex-alunos da ESCM que enviaram trabalhos para o concurso Jovens Cientistas e Investigadores da Fundação da Juventude. Os testemunhos que deram da sua participação foram muito interessantes e mostraram o seu envolvimento nas actividades extracurriculares nos diversos clubes e, também, nos projectos que desenvolveram na Área de Projecto do 12ºano. Falaram o Cristiano Geraldes, o André Batista, o João Antunes, o Ângelo Arrifano, o Samuel Chiquita, o Guilherme Monteiro e o Rui Salcedas. Os alunos que não puderam estar presentes por estarem no estrangeiro ou devido a compromissos profissionais deixaram o seu testemunho na edição do Fio Condutor. O Nelson Figueira enviou o seu testemunho numa gravação vídeo. Também falaram da sua experiência os actuais alunos (e recém-premiados!) André Fernandes, Ana Luísa Rocha e Vitória Esteves que também receberam um prémio atribuído pela Junta de Freguesia de S. Pedro. Foram referidos os vários prémios conseguidos com os trabalhos, todos eles divulgados no BrevesOnline, e as deslocações ao estrangeiro em representação de Portugal e da Campos Melo. Todos estes ex-alunos são um exemplo para os actuais alunos da Campos Melo. Foi orador principal do painel o Professor Pedro Pombo que já foi professor da Campo Melo e é, actualmente, Director do Fábrica Ciência Viva de Aveiro. Falou dos vários trabalhos que orientou no Clube de Holografia, dos Projectos Ciência Viva desenvolvidos na Campos Melo e da importância que teve o apoio que a Direcção da ESCM sempre deu aos alunos e professores que se envolveram nos projectos.

A Comissão Organizadora do 127º aniversário.

17 de janeiro de 2011

Pr. Dr. José Eduardo Pinto da Costa na ESCM







Chegou finalmente o dia de recebermos o Pr. Dr. José Eduardo Pinto da Costa! Confessamos que ficámos surpreendidas com a sua maneira de ser!
Achámo-lo uma pessoa super simples e simpática! Foi muito bom conhecê-lo, falar com ele sobre o nosso futuro, sobre o nosso projecto, as notas, a escola, foi quase como uma conversa familiar!
Para além disso, tivemos o privilégio de conhecer a sua esposa, também médica legista, senhora muito simpática e acessível!
Depois de meia hora de conversa, enquanto esperávamos para entrar no auditório, fomos preparar a nossa palestra! Computador ligado ao projector, microfone preparado e bastou abrir a porta para deixar entrar o nosso público! Depois da multidão e do barulho, apagaram-se as luzes e surgiu o discurso da nossa directora!
Seguidamente, começámos por apresentar o nosso convidado, falando um pouco de algumas partes importantes da sua vida e quando acabámos, demos-lhe a palavra e total atenção!
Toda a sua palestra, apesar de falar de assuntos sérios e que com os quais não se brinca, teve imensa diversão e também "transmitiu" ao público um gosto pelo que faz e por tudo aquilo que disse, que acabou por fazer com que o público tivesse vontade de ouvir e saber cada vez mais acerca do tema, sim, porque é de salientar que tocou para sair e para entrar e ninguém se levantou, o que é bastante usual na nossa escola!
Falou-se de imensos casos concretos, quase que já se faziam autópsias no auditório da nossa escola, a única diferença, é que em vez do corpo, apenas tínhamos fotos, mas sentimo-nos umas verdadeiras peritas na área, como se já estivéssemos em acção no nosso filme!
Por fim, queríamos deixar mais um agradecimento ao Pr Dr José Eduardo Pinto da Costa e à sua esposa, que foram impecáveis connosco!
Um beijinho para eles e para todos os visitantes deste blog.
O grupo das investigadoras Cátia, Madalena e Margarida do 12ªA

12 de janeiro de 2011

RVCC e CEFA - Entrega de Diplomas

O dia 7 de Janeiro, dia das Comemorações do 127º Aniversário da Escola Secundária Campos Melo, foi escolhido para a cerimónia de entrega de diplomas aos adultos que concluíram o processo RVCC e aos que concluíram o seu CEFA.
Neste dia, 246 adultos, 133 do Nível Básico e 113 do Nível Secundário da Educação, receberam o seu Certificado/Diploma de RVCC e viram publicamente reconhecido o seu esforço, tendo em vista um nível mais elevado de qualificação.
Através de CEFA, foram 56 adultos a concluir mais uma etapa do seu percurso educativo.
Concluíram ainda o 12ºano, através do Dec. Lei 357, 11 adultos.

No decurso da cerimónia, proferiram algumas palavras, a Vice-Presidente da Agência Nacional para a Qualificação, Drª. Maria do Carmo Gomes, a directora dos Recursos Humanos do Centro Hospitalar Cova da Beira, Drª Orminda Sucena, o Avaliador Externo, Dr. Leopoldo Rodrigues, a Directora da Escola Secundária Campos Melo, Drª. Isabel Fael e a Coordenadora Pedagógica do CNO da ESCM, Drª. Maria Rosa Macedo.
Estiveram também presentes, alguns representantes de Instituições, Juntas de Freguesia e Empresas, onde o CNO da ESCM tem itinerâncias e ainda os Coordenadores Pedagógicos do CNO do NERCAB e da Escola Secundária Nuno Álvares de Castelo Branco.

Do trabalho desenvolvido deram testemunho alguns adultos que hoje receberam o seu Diploma.
Em fim de festa, participou um grupo de cantares, que integra a itinerância de Unhais da Serra.
Parabéns aos adultos pelo Valor Acrescentado ao seu Percurso Educativo, através da Aprendizagem ao Longo da Vida.

Maria Rosa Macedo
Coordenadora Pedagógica do CNO


9 de janeiro de 2011

Dia da Escola - Entrega dos Diplomas



Um dos momentos altos deste dia foi a Entrega dos Diplomas dos Quadros de Valor, Mérito e Excelência aos alunos que se distinguiram, no ano lectivo de 2009-2010, pelos seus resultados, empenho e atitudes.

Muitos parabéns a todos eles e que sirvam de exemplo a todos os outros alunos, demonstrando, mais uma vez, que o esforço e a dedicação compensam.

5 de janeiro de 2011

Dia da Escola 07-01-11

PROGRAMA

10.00h - Peddy Paper
15.30h - Sessão Comemorativa do 127º aniversário da ESCM (Auditório)
16.00h - Painel "Jovens Cientistas e Investigadores da ESCM em destaque"
18.15h - Visita ao Museu Educativo
19.00h - Entrega de Diplomas - Quadros de Mérito, Valor e Excelência; Cursos EFA e RVCC
20.00h - Porto de Honra

4 de janeiro de 2011

Bolo Rei

Todos os anos, quando os velhos Reis Magos acabam de atravessar pequena estrada de areia que se esboça entre caminhos de musgo e lagos feitos de bocados de espelho partido; quando a estrela de prata que se suspende entre os dois exemplares de “A Paleta e o Mundo” de Mário Dionísio se recolhe para regressar à velha caixa de papelão, com trinta anos de viagens, cheia de bocados de jornal amachucados que ainda guardam notícias de dias que já foram e onde se embrulham os cordeirinhos, os pastores, as oferendas várias que o Menino Jesus recebeu, apesar de já lhe faltar a mãozinha direita que alguém partiu em excesso de limpeza; todos os anos, dizia, recordo a história que o Fernando Midões me contou, certa tarde em que misturámos poemas com lágrimas.
De calças à golfe, lacinho à Baptista Bastos, fato de ver a Deus e celebrar o Dia de Reis, Fernando foi com a mãe jantar a casa das senhoras, gente de talher de prata, criadas de avental branco e crista engomada, cheias de silêncios e reverências.
Com olhos de amora madura, esse sorriso que ainda hoje conserva, sempre molhado de uma melancolia que tem de adivinhar-se mais do que ver-se, Fernando entrou na sala de jantar das anfitriãs, cujas portas só o espírito natalício abria, raros que eram os gestos de caridade e partilha. Assim se explicava a presença do rapazinho e sua mãe, viúva recente e que ali trabalhava de manhã à noite, para que a vida se assemelhasse ao que já fora.
Servidos os manjares da época: a canja onde as bolhas de gordura lembravam pequenos sóis fumegantes, o leitão de maçã vermelha na boca que olhava Fernando em gritos de sufoco que só ele, poeta em germinação, conseguia ouvir; os fritos vários que nas travessas exibiam a abastança, chegou finalmente e foi colocado em lugar de honra, no centro da mesa, ladeado por dois castiçais onde as velas vermelhas ardiam, o bolo-rei, roda magnífica de cores, frutas, pinhões, bocados de açúcar que lembravam neve e cujo esplendor ofuscava o dourado das filhós, os reflexos das garrafas de licor, o brilho dos copos de cristal.
Fernando, pequenino, queixo tocando a toalha de renda, olhava aqueles mistérios de cor e perfume e falava, falava, dizia coisas tão a propósito que as senhoras, enlevadas, não se cansavam de sorrir e felicitar a mãe que tal filho tinha. Então, a mais velha, cabeção de renda e camafeu de marfim a fechar as golas, pega na faca de prata e com solenidade, meticulosamente, parte o bolo. A criada ajuda à distribuição nos pratinhos de sobremesa.
— Agora, não se esqueçam: aquele ou aquela a quem calhar a fava terá de pagar o bolo-rei no ano que vem!
E entre comentários de enlevo, gula, elogios à tessitura e ponto ideal do levedo da massa, à abundância das frutas, à maciez e agrado do paladar, se comeu a sobremesa.
A prenda calhou à criada.
— Que sorte! Mostre lá!
— Olhe que medalha tão bonita! Parece uma libra de verdade. Até pode usar no fio que ninguém diz que não é autêntica.
— E tu, Fernandinho, não acabas de comer a tua fatia de bolo?
— Come que está bom e fofinho!
Fernando, subitamente silencioso, abanava a cabeça em negativas.
— Então, filho! Não sabes falar? Responde às senhoras: queres mais um bocadinho de bolo?
— Ao menos acaba esse!
— Está cansado, coitadinho! Deixe-o lá.
Fernando baixava a cabeça, cabelos lisos na testa. A noite ia adiantada. A Miguel Bombarda, onde moravam, ainda ficava longe. Sim, minha senhora, amanhã às oito cá estarei, se Deus quiser, para cortar o vestido novo e pôr em prova a saia do “tailleur”. Foi uma noite muito bonita. Muito obrigada! Fernando dá um beijo às senhoras e agradece. Diz obrigado, Fernando!
Fernando deu o beijo às senhoras, esticou a cara, pôs-se em bicos dos pés, encheu os olhos de gratidão.
— Diz obrigado, filho! Mas o que te aconteceu?
— Deixe-o lá, coitadinho, perdeu a língua. É o sono, não é?
Descem o elevador, abrem a porta da rua. A mãe, agastada, ralha:
— Mas que vergonha! Umas senhoras tão boas, recebem-nos como família, estavas a portar-te tão bem e agora isto, nem uma palavra de agradecimento, nem boa noite, é esta a educação que te tenho dado? Se o teu pai fosse vivo…
Então, já na rua, o frio de Janeiro a gelar-lhe as mãos e o nariz, a névoa a transfigurar a rua e as pessoas, Fernando, finalmente, abre a boca e lá do fundo deixa voar o mistério da sua inesperada mudez:
— É que me calhou a fava, mãezinha. Eu sei que tu não tens dinheiro para, no ano que vem, comprares um bolo-rei igual àquele.
E, na palma da mão pequenina, cuspiu a fava que ali nascia, quente ainda, do esconderijo em que estivera.
E ainda hoje, nas horas mais dolorosas, quando se esquece de mastigar a comida que arrefece no tabuleiro da cantina e prefere viajar no país da infância, Fernando Midões, meu irmão mais antigo, sente a ternura solidária do abraço e o húmido das lágrimas com que a mãe o aconchegou junto de si.
Sem palavras, mãe.
Sem palavras.


Maria Rosa Colaço
Viagem com Homem dentro (adaptação)
Leiria, Editorial Diferença, 1998


via A Equipa Coordenadora do Clube das Histórias
http://es@contadoresdehistorias.com